sábado, 24 de setembro de 2016

ABAIXO A DITADURA EM MARCHA


Patrus e ditadura
Por Patrus Ananias *
Eu aprendi que a Justiça é uma senhora, uma quase deusa, de olhos vendados e com a balança em equilíbrio. Não tem posição. Julga todos de maneira imparcial.
Eu estou descobrindo hoje que a Justiça no Brasil tem um olho aberto e que a balança pesa para um lado. Só querem ver um lado. Não pensam em outra coisa que não seja atingir o ex-presidente Lula, o Partido dos Trabalhadores e a esquerda brasileira, independentemente de provas e sem sequer o trabalho de construir acusações fundamentadas.
A campanha de linchamento moral contra Lula e o PT já corre há mais de uma década. O boato foi erguido à altura de motivo. A mentira virou prova cabal antes mesmo de investigação. O espetáculo de achismos – péssimo espetáculo – foi transformado em acusação oficial. Se não existe acusação para condenar o PT ou Lula, o depoimento sequer é validado.
Quando o juiz Sergio Moro aceita a denúncia contra Lula afirmando a própria fragilidade de fundamentação da acusação, não resta espaço para falar de imparcialidade. A farsa é desmontada nas palavras daquele que pré-julga, como quem diz “não temos o bastante mas iremos acusar mesmo assim”.
Que justiça resta? É possível falar em justiça? O verniz da “justiça” escorre em definitivo nessas afirmações. (...)
CLIQUE AQUI para continuar lendo.

sábado, 17 de setembro de 2016

Nota: ‘O PT não faltará a mais um chamado da história’



O PT NÃO FALTARÁ A MAIS UM CHAMADO DA HISTÓRIA (Nota Oficial)
O país assistiu estarrecido ao deprimente espetáculo oferecido pelos promotores da Operação Lava Jato, ao denunciar leviana e irresponsavelmente o ex-presidente Lula, sua esposa Marisa Letícia, o companheiro Paulo Okamoto e outros seis cidadãos. Nas palavras de um dos integrantes do MPF, a confissão é clara: “não temos provas cabais, mas temos convicções”.
Esse ataque à Justiça e ao Estado Democrático de Direito, às vésperas das eleições municipais, faz parte da campanha de linchamento jurídico-midiático contra um grande líder do povo brasileiro e seu partido político.
A vida do presidente Lula tem sido vasculhada há 40 anos. Particularmente de 2014 para cá, agentes do Ministério Público Federal, da Polícia Federal e no Poder Judiciário tem buscado encontrar um crime para acusá-lo.
Os ataques contra Lula, promovidos em várias frentes simultâneas, configuram um movimento orquestrado de perseguição.(...)
CLIQUE AQUI para ler na íntegra.

sábado, 3 de setembro de 2016

O jornalismo barnabé e a derrubada de Dilma


Em ato contra o impeachment na quinta-feira 1º, em Porto Alegre,
 a mídia foi alvo dos manifestantes

Na ruptura institucional de agora, o papel da mídia foi mais relevante que o de Eduardo Cunha

Este golpe não aconteceria sem a liderança da mídia. Ela foi a protagonista de primeira hora. Desde cedo, os jornais se incomodavam com o que consideravam “fraqueza” da oposição aos governos petistas e se dispuseram assim a substituí-la. 
Para a ruptura institucional de agora, a mídia foi mais importante do que Eduardo Cunha. Antes de Cunha reunir as condições para desatar o impeachment, a mídia já tinha cerrado fileiras, engatado o revezamento de esforços complementares.
Foi a mídia que, afinal, fustigou o governo na sucessão das manifestações de 2013, orientou seus desdobramentos cada vez mais contrários às motivações iniciais, amplificou e convocou a reação à Copa, encorpou a sublevação contra o resultado das urnas de 2014 e sepultou o período de trégua pós-eleitoral. (...)
CLIQUE AQUI para continuar lendo (via Carta Capital).

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Indiciamento político de Lula é preparação para o pós-impeachment



persegue
O delegado Marcio Anselmo – que ficou conhecido nacionalmente depois que a repórter Júlia Dualilibi mostrou no Estadão, já em 2014, fazia propaganda pró-Aécio – indiciou o ex-presidente Lula e sua mulher, Marisa, de forma absolutamente original.
Lula é indiciado por ter recebido da OAS obras num apartamento que não é seu nem de qualquer pessoa que, em seu nome, o tenha recebido e ocultando patrimônio para ele.
Pertence à OAS e assim está registrado em cartório.
Ainda que fosse verdade que a OAS pretendesse entregá-lo a Lula, ou que o tenha oferecido pela cota que, até alguns anos atrás, Marisa Letícia tinha no estabelecimento, mesmo assim, não haveria crime: primeiro era preciso que a doação se consumasse, a ele ou a terceiro e que, em troca, houvesse algum ato de favorecimento por parte de Lula ou por sua ordem.
Os resto das acusações – o pagamento da guarda de objetos do acervo presidencial em um depósito, depois da saída da presidência – é tão ridículo que sequer merece comentários.
Os aspectos jurídicos, porém, importam muito pouco.
Significativa é a sinalização que é não apenas a criação de um factóide em meio à decisão sobre o processo de impeachment de Dilma como, também, dos preparativos para a incursão ousada do MP e de Sérgio Moro no pós-impeachment. (...)
CLIQUE AQUI para continuar lendo.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

'Moro se acha juiz também do sentido das palavras, e o STF se curva de novo' (Janio de Freitas)

dilma, lula e stf

Dilma e Lula não tentaram obstruir Lava Jato

O juiz Sergio Moro proclamou sua competência –no sentido de poder, direito– para julgar Lula e outros por obstrução à Justiça, em especial à sua Lava Jato, na pretendida e frustrada nomeação do ex-presidente para o ministério de Dilma.
Ninguém duvida, Deus nos livre, da competência reconhecida ao jovem juiz para mandar prender, engaiolar pelo tempo que quiser, acusar do que queira, julgar, condenar, dar liberdade a criminosos delatores, seja quem for o seu alvo. Competência a que o Supremo Tribunal Federal se curva mais uma vez, autorizando o inquérito contra Lula e Dilma.
Já que seria fútil lembrar outros respeitos devidos, talvez se possa ao menos mencionar um respeito modesto e, ainda por cima, desvalorizado. É o respeito à palavra, a essa pecinha generosa da linguagem em que nos desentendemos.
Dilma e Lula não fizeram e não tentaram fazer obstrução à Justiça, nem sequer à Lava Jato. Obstruir, aplicada ao caso, seria obstar impedimentos, totais ou parciais, efêmeros ou definitivos, à efetivação de procedimentos judiciais. Mas ministros não desfrutam de imunidade. Por lei, bem entendido, que não faltam outros caminhos –estes, fora do alcance de Lula, Dilma e qualquer petista. (...)
CLIQUE AQUI para ler na íntegra.

domingo, 7 de agosto de 2016

GOLPE EM MARCHA: Gilmar Mendes quer cassar registro do PT: só numa ditadura


por Jean Wyllys publicado 07/08/2016  na RBA*

gmendes.jpg
Mendes: Brasil deixaria de ser um país democrático e o regime político passaria a ser caracterizado como ditadura
Em sua edição digital, o jornal O Globo informa que Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu a cassação de registro do Partido dos Trabalhadores. Se aprovada, a decisão significaria a proscrição de um partido político (no caso, um dos maiores e mais importantes do país, vencedor das últimas quatro eleições presidenciais), algo que não ocorre desde o Ato Institucional nº 2 da ditadura militar. (...)
CLIQUE AQUI para ler na íntegra.